Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Há 76 dias o menino João Rafael, de dois anos, desaparecia em uma chácara no município de Adrianópolis, na região Metropolitana de Curitiba. No dia 24 de agosto, quando brincava próximo a um rio, foi a última vez que o garoto foi visto. Desde então, o Sicride, Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas da Polícia Civil do Paraná, investiga o caso e recebe diariamente mais de 20 denúncias sobre onde estaria o garoto, sendo já mais de mil desde o desaparecimento.

Apesar do alto número de informações recebidas, a delegada Araci Costa, do Sicride, afirmou à Banda B que não há indícios verdadeiros de onde o garoto possa estar. “As hipóteses continuam sendo de um rapto ou da morte por afogamento. São várias denúncias que recebemos, a última, por exemplo, dando conta que ele foi visto em Pelotas, no Rio Grande do Sul, no colo de um homem moreno, mas mais uma vez não se concretizou”, disse.

A delegada confirmou que denúncias, como a de um carro com placas de São Paulo (SP) supostamente visto perto do local do desaparecimento, chegam diariamente. “Recentemente teve outra informação de que ele estava em Londrina, mas era apenas um garoto parecido. Eu agradeço a ajuda da população e garanto que a nossa equipe está empenhada neste caso”, afirmou. (Denúncias podem ser feitas ao Sicride no telefone: 3224-6822)

Araci Costa também demonstrou dúvidas com relação a maneira como o suposto rapto teria acontecido. “A mãe limpava a garagem e há um cão pastor alemão que faz a segurança da chácara e chama a atenção ninguém ter percebido uma movimentação estranha. O afogamento também só fica na hipótese, porque não encontramos o corpo. É um caso muito complexo”, descreveu a delegada.

Fonte: Banda B