ESTRADAS COM ARAUCÁRIAS.  N/F: Edilson Batista, presquisador da Embrapa. Lapa, 25-06-15. Foto: arnaldo Alves / ANPr.

ESTRADAS COM ARAUCÁRIAS. N/F: Edilson Batista, presquisador da Embrapa.
Lapa, 25-06-15.
Foto: arnaldo Alves / ANPr.

Fazenda Rio Grande será o terceiro município paranaense que terá o projeto Estradas com Araucárias. Pequenos agricultores vão receber ajuda financeira para plantar as árvores nas divisas de suas propriedades. Atualmente, o Estradas com Araucárias beneficia 55 proprietários da Lapa e de Fernandes Pinheiros, que mantém 20 mil árvores símbolo do Estado em suas divisas.

Serão plantadas, inicialmente, cerca de 2 mil mudas no município. “É um projeto socioambiental que valoriza a araucária e seus benefícios para o meio ambiente”, disse a coordenadora de Educação Ambiental da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Daniela Pereira Miranda. A previsão é de que 10 propriedades implantem o projeto neste ano.

Os detalhes são tratados por técnicos da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, da unidade da Embrapa Florestas no Paraná, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico e Departamento de Agricultura de Fazenda Rio Grande e da Emater/PR. O patrocínio do Grupo DSR, empresa paranaense do ramo logístico e de transportes, que já ajuda os demais produtores com apoio financeiro, garante a ampliação do projeto. Cada agricultor receberá até 200 mudas de araucárias para plantar em suas divisas. No final de cada ano, o produtor ganhará R$ 1 mil como pagamento pelos serviços ambientais prestados, em especial com a captura de Gases de Efeito Estufa.

Segundo Paulo Caffeu, diretor-executivo do Grupo DSR, o projeto Estradas com Araucárias ajuda a compensar entre 6% e 8% das emissões da empresa, mas o objetivo é chegar a, pelo menos, 15%. Até 2018, a empresa pretende triplicar o projeto, que também foi levado para Santa Catarina.

Durante o crescimento, as 200 araucárias de cada propriedade retiram da atmosfera por ano, em média, o equivalente a 19,4 toneladas de gás carbônico (CO2). “Na fase adulta elas vão trazer beleza à propriedade e à estrada e, ainda, com as futuras safras de pinhões, continuar ajudando na renda das famílias e também a alimentar animais silvestres”, falou Edilson Bastista, engenheiro da Embrapa Florestas e um dos idealizadores do projeto.

NA PRÁTICA – O Projeto Estradas com Araucárias prevê plantios de Araucaria angustifolia na divisa de propriedades rurais com as estradas do Paraná, formando “corredores verdes” ao longo das rodovias. É uma forma de agregar valor paisagístico e ecológico às estradas, além de produzir pinhões para consumo humano e da fauna.

A Unidade da Emater/PR no município será responsável pela escolha das propriedades rurais que participarão do projeto. A engenheira florestal da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Themis Piazzetta, alerta que para participar as propriedades devem estar adequadas ambientalmente, com suas Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal respeitadas e, também, ter registro no Cadastro Ambiental Rural (CAR). “São critérios que devem ser respeitados por todos, especialmente por quem quer ser beneficiado pelo projeto”, disse Themis.

Fonte: AEN